COMPANHIA DANSUL | A MENINA DOS MEUS OLHOS | A JANGADA DE PEDRA

 
 


 
 
 

COMPANHIA DANSUL / Paula Varanda
Diz Que Dançam

25 Out. Mértola 21h00 Cine-Teatro Marques Duque
26 Out. Mértola 17h00 Cine-Teatro Marques Duque
22 Jan. Beja 21h00 Paxjulia Cine-Teatro Municipal
23 Jan. Castro Verde 21h00 Cine-Teatro Municipal

Sinopse
São Relações, emoções, histórias e divertimentos da mulher avó, mãe, menina e moça, que o corpo canta, conta e dança pelo tempo fora. Diz que misturam movimentos de culturas diferentes, uns novos outros antigos, alguns de rua e outros de palco, e que até usam ideias de coreógrafos famosos. Uma pessoa espelha o que se passa na família, no trabalho, no café, na sociedade e no mundo. Uns dias está só e outros anda na boca de toda a gente. Diz que se pode analisar, duvidar, imaginar e afirmar com o corpo e, parece que isso, também acontece nesta dança.

Companhia Dansul
É um esboço de companhia no interior da AMDA. Por agora é a primeira reunião intensiva de pessoas na vila de Mértola, com as diferentes experiências necessárias para criar um espectáculo de dança. Com uma dimensão local no processo de criação, juntando profissionais e amadores, residentes ou migrantes, o trabalho realizado é promovido também nos concelhos próximos para alcançar
visibilidade a nível regional.

Ficha técnica
Coreografia e edição vídeo: Paula Varanda / Composição e direcção musical: Anthony John / Direcção visual e cenografia: Christiann Zwannikken / Bailarinas em palco e vídeo: Joana Cavaco, Patrícia Cavaco, Ana Fabião / Bailarina em vídeo: Rosa Roxo / Fotografia e edição vídeo: Jorge Branco / Luminotecnia: José Palma / Assessoria figurinos: Rithika Merchant / Guarda-roupa: Marta Lapa / Assistentes para técnica e documentação: Delmiro Boaventura e Ivan Lima / Agradecimentos: Ana, Lícia e Nuno Roxo, Bruno Batista, Fernando e Teresa Varanda, Helena Gouveia, Lídia e Teresa Batista, Pedro Serrano.

Público alvo
Espectáculo para crianças maiores de cinco anos, jovens e adultos
todas as apresentações serão seguidas de conversas informais com o público

 

topo
   

 
 
 
 

A MENINA DOS MEUS OLHOS/ Marina Nabais
Megagigafruitibytejackpote

26 Nov. Beja 10h30 e 15h00 Paxjulia Cine-Teatro Municipal
28 Nov. Mértola 10h30 Cine-Teatro Marques Duque

Sinopse
Numa galáxia distante, no planeta Megagigafruitibytejackpote, habitam as primas Broculina, Raquel Cereália, Leonácia e Popótama. Elas são as heroínas que representam a pirâmide dos alimentos e que neste espectáculo nos vão conduzir a uma viagem à Terra. A sua missão é ensinar que bem comer dá saúde e faz crescer. Cada prima é especialista numa coisa: a Broculina na protecção e energia, a Raquel Cereália na energia e bom funcionamento do organismo, a Leonácia no crescimento e a Popótama nas energias de reserva. As nossas heroínas chegam num foguetão sem saberem que, agarrado à turbina, vem o Jack, o grande vilão que quer desagregar a família alimentar e que seduziu e enfeitiçou a Raquel, desviando-a do bom caminho, o dos cereais. Entre peripécias várias, as primas constroem a pirâmide dos alimentos para explicar como funcionam as regras de uma alimentação saudável, e combatem o Jack, tentando salvar a pobre Raquel do seu feitiço!!! Será que a missão Megagigafruitibytejackpote fica cumprida?

A Menina Dos Meus Olhos
É uma associação cultural criada em 2003, que promove o desenvolvimento das artes performativas. Através das produções de espectáculos de dança e teatro, co-produções com artistas independentes das artes visuais, multimédia e artesanato, bem como das parcerias com associações similares, esta associação quer inovar nas práticas culturais e artísticas, fomentando encontros e fusões. A associação investe ainda na educação artística para a comunidade

Ficha técnica
Co-criação e interpretação: Ana Gouveia, Carla Ribeiro, Marina Nabais / Figurinos e Design Gráfico: Iñaki Zoilo / Música Original: João Bucho / Vozes: Ana Gouveia, Beatriz Cantinho e Marina Nabais, com participação especial de Joana Brandão / Cenário e adereços: F. Ribeiro / Iluminação: Cláudia Rodrigues /Agradecimentos: Tânia Rodrigues, Elsa Reis, Hélio Mateus, Miguel Louro e Marquinhas, Sr. Francisco Nascimento.

Público alvo
Espectáculo para crianças dos 5 aos 11 anos, professores e encarregados de educação
todas as apresentações serão seguidas de conversas informais com o público


topo

   

 

 
 
 

JANGADA DE PEDRA / Aldara Bizarro
A Preguiça Ataca?

18 Mar. Beja 15h00 Paxjulia Cine-Teatro Municipal
20 Mar. Castro Verde 14h00 Cine-Teatro Municipa

Sinopse
A Preguiça, ataca? Começa com histórias. Tudo começa com histórias...
E, de repente, no meio da partilha entre o cansaço e o descanso, na lenta sugestão de aspectos da preguiça — a medida da vontade, o não querer fazer frente ao movimento contínuo de outros, a adopção do modo da Preguiça—os bailarinos são atacados. Essa linha directa que se desenha no espaço, desde os seus corpos até ao vórtice, é uma linha de emoções mistas. Quem a vê está suspenso, vive numa ânsia curiosa e medrosa, e tem uma vontade contraditória de os ajudar a fugir e simultaneamente, de os deixar ir. Isso produz uma ligeira tensão na cadeira mas que se disfarça bem. A preguiça parece simples mas quando se a olha à lupa, ela revela-se complexa e estranha, ensina-nos algo de incómodo. Revelamo-nos, por um lado, guerreiros destemidos e, por outro, bonecos encaixados. A preguiça mostra que se somos capazes das mais arrojadas loucuras também somos cobardes para as mais recatadas acções. Ver dois corpos assim a desenhar a preguiça, rompendo o espaço, deixa-nos com uma afinada atenção para ouvir.

Jangada de Pedra
É uma estrutura de criação, produção e divulgação de dança contemporânea criada em 1999 e financiada pelo Ministério da Cultura/Direcção-Geral das Artes. A sua acção assenta no trabalho da coreógrafa Aldara Bizarro (uma das fundadoras) e no de Filipa Francisco (artista convidada). Com ambas têm sido desenvolvidos projectos artísticos que cruzam a dança contemporânea com outras artes, procurando estender as fronteiras desta disciplina e propondo criações e eventos que preencham lacunas no meio da dança e arte contemporâneas nacionais.

Ficha técnica
Concepção e direcção: Aldara Bizarro / Interpretação e co-criação original: Ainhoa Vidal e Alban Hall / Interpretação actual: Ainhoa Vidal e Peter Michael Dietz / Musica Original: Vítor Rua / Vídeo: João Pinto / Luzes: Carlos Ramos / Apoio na área da Filosofia: Dina Mendonça / Fotografia: António Rebolo e Edméa Brigham / Produção: Tânia Guerreiro / Apoio informático: Pedro Joel

Público alvo
Espectáculo para crianças dos 12 aos 16 anos
todas as apresentações serão seguidas de conversas informais com o
público

 

topo